terça-feira, 25 de janeiro de 2011



Hoje Luanda faz 435 anos. Foi Paulo Dias de Novais quem a fundou no dia 25 de Janeiro de 1575. Uma cidade em ebulição, fervilhante, contraditória, por vezes caótica, à mercê do desenvolvimento frenético e em contágio directo com a sobrevivência para quem a vida é dura. Um relato actual aqui, leia.
Em todo o caso, parabéns Luanda.

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

domingo, 16 de janeiro de 2011

Baía de Luanda - foto flipvinagre

amanheceu
quem diria
que inda agora hoje era ontem
e que cacos ao longe não iam ser olhos de bicho
quem diria

que patos-bravos mergulhando não eram jacarés
e que lagartos azuis iam a quatro patas
quem diria
que bosta de elefante não eram pedras
e que guerrilheiros antigos iam pisar a sua mina
quem diria
que o professor cismando não era surdo
e que os alunos não iam falar a sua língua
quem diria
que a moça do Muié
que inda agora era virgem logo já não é
quem diria
que inda hoje era ontem
amanheceu

Arlindo Barbeitos

(Angola, Angolê, Angolema (1976)

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

"roboteiros" na Vila do Cacuaco - foto flipvinagre


1
De palavras novas também se faz país
neste país tão feito de poemas
que a produção e tudo a semear
terá de ser cantado noutro ciclo.

2
É fértil este tempo de palavras
em busca do poema
que foge na curva das palavras
usadamente soltas e antigas
distantes das verdades dos rios
do quente necessário das brasas
do latejar silencioso das sementes
dentro da terra
quando chove.

3
Proponho um verso novo
para as laranjas (por exemplo) matinais
e os namorados
com que havemos de encher todos os dias
os mercados.

4
Proponho um verso novo
para as guelra do peixe sem contar
para a abundância da carne
e a liberdade das aves desenhada
no amor das escolas
dos campos
e das fábricas.

5
Proponho um verso novo
para o leite obrigatório em cada dia
e a medalha olímpica
que o riso das crianças já promete.

6
Proponho um verso novo
para o milho a mandioca suculenta
o amadurecido cacho de dendém
alegre na fartura dos dedos
e das bocas.

7
Produzir na palavra
É semear e colher
É cumprir na escrita
A produção.

8
Produzir na palavra
É cantar no poema
Todas as raízes
Deste chão.

Manuel Rui Monteiro (poeta angolano)
In 11 Poemas em Novembro, Luanda, Ed. Lavra e Oficina, 1976

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011


nesta campanha eleitoral para PR de Portugal, vê-se que uns andam atrás dos podres dos outros, ou melhor, os outros andam atrás dos podres de um, cavaco tem sido um alvo privilegiado, para os outros é o alvo a abater e então manipulam contra o senhor factos que nos parecem irrelevantes, agora dizem que o homem conspirou contra a república, um dia ainda se atrevem a dizer que o professor é contra a república, é um anarca convicto etc etc, enfim, um circo de todo o tamanho, pena que Cavaco não reaja como deveria reagir, acho excesso de ética, e ele não quer descer ao nível dos outros candidatos, gente vermelha que serve outros propósitos, que não deram provas de valerem alguma coisa em lugar algum, mas é a democracia, o jogo do poder tem destas coisas...força Cavaco, aguenta, vai-te a eles.

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011



ouvi alguém dizer "Lição para ser um português feliz, mais activo e alegre, animadão, concretizado, compreendido e ainda com algum dinheiro na conta no dia 14 de cada mês?

- Emigre!"

pois...

vi na Sic e li no JN:
"De demagogia em demagogia a classe política tornou-se um mundo à parte", diz Ferreira Leite

20h50m

Manuela Ferreira Leite criticou esta tarde, no Porto, a actual situação política portuguesa, afirmando que "de demagogia a classe política tornou-se um mundo à parte", está "desacreditada" e afastada dos cidadãos.

"As medidas tomadas e o proclamado objectivo de credibilizar a classe política têm sido marcados por demagogia e de demagogia em demagogia a classe política tornou-se num mundo à parte em que os cidadãos não se revêem" e com o qual não comunicam, salientou a antiga ministra das finanças durante a cerimónia comemorativa dos nove anos de Rui Rio frente à Câmara do Porto.

A ex-líder social democrática acredita mesmo que "a situação é tão grave que a representatividade pode ser posta em causa" até porque "nenhum país se desenvolve com base em incompetência de dirigentes".

Para Manuela Ferreira Leite a classe política está mesmo "completamente desacreditada", "não existe para mobilizar cidadãos" e tem líderes que "infelizmente se habituaram a sobreviver com promessas que nunca cumpriram".

É verdade Manuela, faz tempo que o pessoal não se revê nos políticos, não fazem nada de jeito, vivem à conta do Estado sem dar nada em contrapartida, são autênticos parasitas, eles e os pequenos satélites que os rodeiam e que giram à sua volta em troca de favores, os parasitas dos parasitas. Como já disse, chame-se o Salvador, há que pôr o país em ordem, chega de circo, enough is enough. Irra!

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011



hoje lê-se no i:
"Recibos verdes. Quem ganha mil euros passa a receber apenas 598. O novo código contributivo está a por os jovens que ganham a recibo verde à beira de um ataque de nervos. Quem ganhe 1000 euros mensais, passa a ter de entregar 21,5% à cabeça aos cofres do Estado por conta do IRS, e 29,6% à Segurança Social.

Contas feitas, significa que a partir deste mês, quem ganhe aquele valor através de recibo verde leva para casa qualquer coisa como 598 euros, ao invés dos anteriores 621 euros. " etc etc.

Ou seja, um futuro pouco brilhante para os jovens e para todos aqueles que trabalham em Portugal. Como se vive com este montante? Qual o futuro de quem tem que viver com este montante? Chama-se a "isto" trabalhar para aquecer, ou para sustentar um regime de gulosos, para engordar o Estado, esse papão desgovernado por uma alcateia de incompetentes com os seus boys oportunistas. É triste, tudo isso é triste. A luz ao fundo do túnel parece ter-se apagado, nem uma pequena chama de esperança. Há que chamar El-Rei D. Sebastião ou acabar com o circo. Façam alguma coisa.

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

vista lateral do BNA (Banco Nacional de Angola), Luanda - foto flipvinagre


"Sinto que as cidades também tem sexo, como os seres humanos e os animais. O Rio de Janeiro tem encantos de mulher. São Paulo é homem. Lisboa é uma graciosa rapariga."

Érico Veríssimo_Solo de Clarineta

de Luanda, diria que é uma teen ager inconsciente, frenética, àvida de espanto, e muito vaidosa.

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

de novo na pela angolana, pronto para enfrentar mais uma etapa, haja saúde