quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Como se já não bastasse a descrença no regime e no sistema vigente, bem como nos políticos e nesta partidocracia, agora a descrença alastra às instituições (verbi gratia o caso do bpn, do bcp, da assembleia legislativa da madeira, da (i)responsabilidade dos gestores do bp)...Não me posso chatear, não me posso chatear, não me posso chatear...Vou mas é escrever mais um poema contestatário, é a única arma que me resta, o meu único trunfo nesta democracia é o voto e ainda falta tempo para o exercer, o meu representante na AR não me liga nenhuma (a bem ver, também nem sei bem quem é...), as petições que apresentei caíram em saco roto...portanto está decidido, caneta e papel já tenho, ora deixa cá ver...Palavras? Palavras? Se calhar vou começar por tristeza, não, melhor desilusão, que tal circo? Bom, mas circo sem os palhaços do costume, um circo novo, novos artistas, mais dotados, melhor preparados, ah, e uma tenda com novas cores, mas não, isso é cair na mesma lenga lenga, bom, decido-me por construção, sim, construção, vou construir um avião de esperança e voar, voar daqui para fora, à velocidade do som, aliás, à velocidade da luz, chiça!!!!!!!!!!!!!!!!

2 comentários:

Luísa disse...

Sou uma cidadã alheada e abstencionista, Flip, desde que – já lá vão uns anos – me convenci de que a gestão do país se tinha transferido para as instâncias europeias e de que quem quer que fosse que empunhasse o leme não faria qualquer diferença. Provavelmente não faz e continuará a não fazer. Mas há a questão do «estilo» e este estilo «socratiano» irrita-me solenemente. Nas próximas eleições, portanto, lá estarei a fazer a cruzinha… se ainda souber como se faz. ;-D

Flip disse...

cara luísa
é um facto, com a europeízação ficámos á mercê das decisões da U.E., mas sou um desiludido, com o sistema e com os políticos (Sócrates é um bluff...) e os poucos em que ainda tinha alguma crença acomodaram-se...mas voto sempre, ao menos isso, uso esse direito inalienável, embora contrariado
:-)