terça-feira, 4 de novembro de 2008


“Passámos a noite na estrada. Eram cinco da manhã, pouco mais ou menos, quando Malembelembe desmaiou, esgotada, algures em plena Karoo. Laurentina dormia, a cabeça no meu colo, enrolada num cobertor. Bartolomeu ia à frente, ao lado de Pouca Sorte, com a missão de não o deixar adormecer. De repente Malembelembe estremeceu, tossiu, e um fumo espesso começou a soltar-se do motor. Descemos. Os pés na poeira vermelha. O céu liso, imenso, um prodígio azul a cantar sobre as nossas cabeças.
- E agora?
A inevitável pergunta. Laurentina sorriu, ainda estremunhada:
- Nunca vi tanto nada.”

(José Eduardo Agualusa in As Mulheres do Meu Pai)

Lembro-me perfeitamente das viagens por aquela Angola imensa, de norte a sul, de sul para norte, e da verdade do que escreve Agualusa, eram quilómetros e quilómetros de nada, só o verde do mato, a vegetação luxuriante, o rebordo das montanhas, o voo das inúmeros aves e o seu falar enchiam o olhar e os ouvidos do viajante, a terra vermelha, sim, mas também a poeira que ficava para trás e cobria os cafeeiros, denunciando o nosso rumo quando a estrada não tinha asfalto, aqui e ali sanzalas desertas, e o sol abrasador só refrescava quando muito à frente viamos crianças que brincavam nos rios, aparecendo homens e mulheres nas bermas em afastados quilómetros, carregando a mandioca nas costas, fazendo-nos adeus e tirando o chapéu num cumprimento que me parecia transbordante de respeito mas carregado de simplicidade e cortesia, que nós retribuíamos, sorrindo, só repetindo o mesmo adeus e sorriso muitos outros quilómetros à frente, o mesmo vento entrando pela janela, quente, tal como o asfalto, fazendo-nos transpirar até de contentamento mais do que alguma vez supusemos, tudo isto em horas e horas de apaixonante aventura e desmedida paixão pelo desconhecido, por isso amo a terra onde nasci, sem limites de espécie alguma, ali aprendi o que é a liberdade, sonhando-a acordado, e isso nunca se esquece ou deixa de amar.


Discover Sons Da Fala!

2 comentários:

Once disse...

que memória fabulosa Caro Flip ..
Parabéns .. :)

Flip disse...

cara once,
quanta bondade e gentileza :-)
obg
beijinho